< >

Gestão de terras

No apoio à estratégia de crescimento sustentável, a Odebrecht Agroindustrial conta com a atuação de uma Diretoria de Gestão de Terras. Ela é responsável pelo melhor aproveitamento das fazendas mantidas pela Empresa, trazendo segurança empresarial ao negócio por meio de aquisição de terras para plantio de cana e ampliação do volume adquirido de Fornecedores. Também está sob seu escopo gerir as áreas de Reservas Legal e Áreas de Proteção Permanente (APPs), além de buscar novos parceiros.

Entre as ações desempenhadas pela diretoria estão estudos de melhoria nos canaviais por meio da adoção de rotação de cultura com soja durante as reformas, visando entender as respostas de ganho de produtividade em solos de baixa fertilidade. Nesse sentido, destaca-se um projeto-piloto no Polo Taquari, cujo escopo foi a semeadura de soja em áreas de renovação de canavial durante a entressafra da cana e em dois blocos em áreas de abertura (pastagens) antes do 1º plantio de cana. No total, foram semeados 1,5 mil hectares, cuja produção alcançou 2.586 toneladas de grãos. No entanto, o mais importante desse trabalho é promover a melhoria dos ambientes com o benefício que a rotação com a soja trará nas primeiras safras pós reforma. Espera-se ganho de produtividade da ordem de 10% na safra subsequente. A expectativa é estender a rotação de cultura de soja para 10 mil hectares na safra 2014-2015.

O setor também orquestrou no período o desenvolvimento de um projeto-piloto com sorgobiomassa na Unidade Morro Vermelho (GO), realizado em parceria com uma empresa norte-americana. O objetivo é aumentar a disponibilidade de combustível renovável e ampliar a geração de energia. O sorgo possui alto índice de biomassa, configurando-se como opção viável ao bagaço da cana ou complemento ao mix de biomassa utilizado pela Empresa. O acordo comercial prevê testar uma semana de queima, durante a qual serão avaliadas a viabilidade e a eficiência do sorgo como fonte de energia.

Também teve andamento um projeto experimental para a recuperação de áreas degradadas em fazendas arrendadas pela Empresa. A ideia é promover nesses ambientes o cultivo de árvores destinadas ao fornecimento de biomassa para geração de energia. A atividade é desenvolvida somente em locais cujas terras são improdutivas para outras culturas, respeitando regulamentações vigentes. O projeto prevê uma área de plantio entre 2 mil e 3 mil hectares.

O setor também atuou, em conjunto com a área de Sustentabilidade, em um projeto-piloto para estabelecer áreas de compensação de Reserva Legal fora de propriedades próprias ou arrendadas da Empresa. O estudo tem por fim avaliar a possibilidade de compensar os 20% de terras de Reserva Legal para outras áreas no mesmo bioma, permitindo cultivar 100% da fazenda arrendada. Dessa forma, é possível promover uma melhor gestão desses espaços. O piloto está sendo adotado na Unidade Rio Claro.

Futuramente, a ideia é usar a expertise da área de Gestão de Terras para melhorar também o fornecimento de cana para a área industrial, tanto internamente como em terceiros, por meio da criação de uma empresa própria de fornecimento. A intenção é usar o know-how da Odebrecht Agroindustrial em plantio e cultivo da cana para melhorar a produtividade e a comercialização do produto.