< >

GRI 2.5

Número de países em que a Organização opera e nome dos países em que suas principais operações estão localizadas ou são especialmente relevantes para as questões de sustentabilidade cobertas pelo relatório+ Índice remissivo GRI

Internacionalização

Como parte da estratégia de internacionalização traçada, a Empresa continuou avaliando projetos em países-alvo especialmente na América Latina, onde há forte presença da Organização Odebrecht. Além da produção de açúcar e/ou etanol, está sendo avaliada a possibilidade de consultoria na área de gestão agrícola. Durante a safra 2013-2014, houve avanços nas avaliações em relação à Colômbia, ao Peru e aos Estados Unidos, mas ainda em fase de refinamento de análises de riscos e retorno financeiro. O objetivo é possuir ativos preferencialmente em países que apresentem mercado interno com potencial de crescimento e tenham políticas de fomento ao setor de biocombustíveis, com regras definidas em questões relacionadas a preço. A experiência também tem servido para avaliar mercados mais rentáveis para exportações a partir do Brasil, com o objetivo de expandir o mercado e rentabilizar melhor o negócio.

Entre os projetos em fase mais avançada de realização, destaca-se a parceria bem-sucedida com a Biocom – Companhia de Bioenergia de Angola –empresa que está implantando neste país uma Unidade Agroindustrial para produção de etanol, açúcar e geração de energia e que consiste em consultoria na área de gestão agrícola pela Odebrecht Agroindustrial à Biocom.

As operações de moagem da Biocom se iniciaram em agosto de 2014, sendo que a mesma terá foco inicial na produção de açúcar, destinada, na sua totalidade, para o mercado local. Houve avanços significativos na expansão da área de cultivo de cana, bem como na implantação do parque industrial. Também teve inicio um trabalho de desenvolvimento de mercado para fomentar o setor de biocombustíveis, a fim de absorver a produção de etanol.