< >

Logística

O desafio da Logística da Odebrecht Agroindustrial é entregar etanol e açúcar sempre no prazo, com bom preço e de forma segura. A Empresa atende a todas as normas de transporte e desenvolve, no momento, o projeto Expedição Segura, cujo objetivo é minimizar os riscos para a Odebrecht Agroindustrial, para o transportador e os demais envolvidos, além de garantir significativo ganho de produtividade. Parte importante desse projeto é o sistema de automação do carregamento de etanol, introduzido, inicialmente, nas Unidades de Alto Taquari (MT) e Santa Luzia (MS). Com investimento de R$ 16 milhões, o sistema mede a vazão da indústria para o tanque, que possui um sensor por meio do qual é medido o volume que vai para o carregamento.

Para garantir a eficiência na entrega dos seus produtos, a área faz o acompanhamento mensal dos indicadores de mercado, a fim de equalizar os impactos das mudanças de curvas nos preços de etanol e açúcar na oferta de caminhões e no atendimento aos contratos. Além disso, acompanha diariamente os saldos de pedidos para analisar a aderência das programações em relação ao andamento do realizado. De acordo com a evolução das entregas é enviado um status para a área de backoffice (administração de vendas) para divulgação aos Clientes. Por fim, além dos indicadores de expedição, há constante acompanhamento com as bases de entrega dos Clientes. Com a estabilização da ferramenta Oracle, será possível definir indicadores de desempenho, medi-los e divulgá-los.

Durante a safra 2013-2014, a estratégia para a operação de etanol esteve centrada em garantir o melhor aproveitamento dos modais logísticos. Pela primeira vez na história da Odebrecht Agroindustrial, foram realizadas operações utilizando três modais para atendimento a um Cliente: rodoviário, ferroviário e duto, aumentando a complexidade do negócio e posicionando a Empresa como provedora de soluções para a otimização dos fluxos de entregas de forma competitiva em custo e tempo.

Desde 2012, a Empresa embarca etanol para os Estados Unidos. Nesse caso, o produto é transportado por rodovia até o Porto de Santos (SP) ou por linha férrea até o Porto de Paranaguá (PR) e, depois, por navios-tanques até seu destino final. No caso do açúcar, 90% da exportação ocorre por meio de uma operação multimodal (rodoviária e ferroviária) de Paranaguá para Ásia, Oriente Médio e Europa, e 10% por rodovia, para o Uruguai.

Ampliar imagem

Projeto Logum

Criada em 2011, a Logum Logística é responsável pela operação de um sistema logístico de etanol que tem como grande diferencial o uso de dutos que totalizarão 1,3 mil quilômetros de extensão e de uma hidrovia nos rios Paraná e Tietê. A Logum possui seis sócios: Odebrecht Transport, Petrobras, Copersucar, Raízen, Camargo Corrêa e Uniduto, associação que congrega 52 usinas.

O sistema atravessará 45 municípios, ligando as principais regiões produtoras de etanol nos Estados de São Paulo, de Minas Gerais, de Goiás e do Mato Grosso do Sul ao principal ponto de armazenamento e distribuição em Paulínia (SP). Parte do sistema será composto pelo duto que interligará as regiões de Jataí (GO) e Paulínia. O empreendimento será integrado ao sistema de transporte hidroviário com a utilização de barcaças na bacia Tietê-Paraná. Ao todo, serão nove terminais coletores de etanol, entre terrestres e aquaviários.

A implantação desse sistema, cuja conclusão está prevista para 2016, permitirá que 100% das Unidades da Odebrecht Agroindustrial sejam atendidas, viabilizando o escoamento de grande parte de seu etanol. Durante a safra 2013-2014 já estavam disponíveis os trechos Ribeirão Preto/Paulínia e Paulínia/Barueri. Assim, a Empresa pode operar usando uma solução trimodal: rodovia até o terminal ferroviário; ferroviário até Paulínia; e duto entre Paulínia e Barueri. Na safra 2014-2015, o duto será usado de maneira mais expressiva, pois é prevista a operação da base de Uberaba (MG), no segundo semestre de 2014.

Na maturidade da operação, a estimativa é destinar para logística em torno R$ 300 milhões por safra. Com o sistema, os custos devem ser reduzidos consideravelmente, o que é fundamental para um negócio de commodity. A Odebrecht Agroindustrial deverá expedir aproximadamente 1 bilhão de litros pela Logum.